sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Polarização e Discutir Dinheiro

POLARIZAÇÃO

Nos cometários do meu último post uma coisa ficou clara: houve uma tentativa de polarização entre os blogueiros anônimos e os não anônimos, como se alguém tivesse tentando desmerecer o outro. Isso é o que costumo chamar de "câncer da polarização", hoje em dia é assim, se você dá uma opinião contrária ao grupo A automaticamente você pertence ao grupo B. Isso me da nojo!

Veja o velho, batido e fedorento assunto política. Se você se diz contra o PT e suas picaretagens automaticamente te colocam na "direita", você será eleitor do Bolsonaro. Se você é eleitor do Bolsonaro você quer exterminar os gays, acabar com todas as ações sociais, etc. É isso mesmo? É óbvio que não! Você pode sim pertencer a um grupo e discordar com algumas diretrizes dele, jamais seremos 100% alguma coisa (a não ser se for corintiano, petista ou idiota (redundância)).  Vou falar por mim, sou um cara anti-socialismo o que não significa adotar a cartilha direitista, por exemplo sou totalmente a favor do aborto (em qualquer situação), casamento homossexual e tenho dúvidas sobre liberação de drogas. Por outro lado apoio coisas tidas como de extrema direita como extermínio de bandidos (ou melhor ainda, usa-los como almoxarifado humano e mão de obra grátis). Resumindo: não há como a pessoa se encaixar totalmente em A ou em B. (obs: será que os não anônimos ficariam confortáveis de expor opiniões como essas?).

Sou capitalista, a favor da meritocracia, sou contra controle estatal, sou contra assistencialismo na maioria dos casos, etc. Nem por isso quero viver como um magnata, usufruindo das mordomias que o capitalismo proporciona, muito pelo contrário, tenho um estilo de vida simplão que vai de encontro ao estilo de vida (forçado) da maioria dos lugares socialistas. Tenho muita curiosidade pra conhecer Cuba e ver de perto como o socialismo funciona, e aqui não estou dizendo que quero ver "como um sistema igualitário, justo e viva la revolution" funciona e sim que talvez um detox de capitalismo possa me inspirar ainda mais a viver meu estilo de vida. Quero dizer: não é porque sou mais A que não quero entender como B funciona, até porque com certeza a melhor resposta está entre A e B, entendeu?

Se você quer fazer o bem pro mundo: PARE DE PENSAR DE MANEIRA POLARIZADA, PORRA!!!

DISCUTIR DINHEIRO

Também no último post surgiu o assunto que americano discute dinheiro muito mais que brasileiro, que eles não tem medo/vergonha de se expor e dizer quanto ganham. O assunto dinheiro é tabu por essas bandas... Brasileiro dificilmente abre suas contas pra qualquer um, muitas vezes nem o casal sabe quanto o outro ganha (o que pra mim é de cair o cu da bunda), mas nos EUA isso é bem diferente, vou contar uma história que aconteceu comigo:

Sacaralha é bom pra porra!
Bia e eu estávamos num Wendy's no meio do sertão Californiano almoçando um hamburger quadrado e um maravilhoso chili de 1 dólar, estávamos conversando sobre algum assunto aleatório quando formos interrompidos do um cara, um típico negão americano vestido com macacão azul de mecânico:

Mecânico: "Hey guys, where are you from?"
Eu: "We're from Brazil"
Mecânico: "Oh, nice, your language is Beautiful!"

E aí começamos a trocar ideia, ele e o colega disseram que tinham vontade de conhecer o Brasil porque gostam de soccer, as mulheres e praias são bonitas e todo aquele lenga lenga que brasileiro está cansado de ouvir na gringa. Eles disseram que eram mecânicos e o assunto foi pro lado de dinheiro, soltei a velha frase que adoro:

Eu: "Hey guys, did you know Corolla is a luxury car in Brazil? A top Corolla cost a annual salary of a doctor!" (Pessoal, vocês sabiam que Corolla é um carro de luxo no Brasil? Um Corolla top de linha custa o salário anual de um médico!)

Cara, é muito legal ver a expressão de incredulidade na cara dos gringos, isso porque um Corolla por lá custa o salário MENSAL daqueles mecânicos e é um carro de adolescente, de imigrante ou de gente quebrada.

E aí o papo foi nessa linha de grana, custo de vida e tals. Eles começaram a falar sem o menor pudor quanto ganhavam, quanto de imposto pagavam, qual carro tinham, etc, etc... Americano médio pode ser burrão em relação a grana (fazem leasing de carro, vivem com cartão de crédito estourado (pagar o mínimo lá é praticamente regra, compram Mc Mansions super valorizadas), etc) mas conversam sobre dinheiro muito mais que a gente e isso acho extremamente saudável pra quem sabe ouvir e aprender. Rolou até um bulling entre eles porque um tinha ganho quase o dobro que o outro no ano anterior:

"You"re a fat, black, lazy guy, bro!

O que acho sobre isso? Quem está certo? Mais uma vez digo: detesto polarização! Dentro da realidade deles, tanto cultura e principalmente de segurança, estão certíssimos, Discutir dinheiro é no mínimo proveitoso. E a gente, dentro da nossa realidade banânia também estamos certos, não devemos sair por aí discutindo nosso salário e com toda certeza devemos viver abaixo de nossos meios não só pra economizar mas principalmente por questão de segurança, tanto de bandidagem quanto de família ou amigos. Nos EUA ser rico é objetivo de vida, no Brasil ser rico é sinônimo de explorar e ser filho da puta.

49 comentários:

  1. Sua ultima frase é ótima! Meus pais jamais conversaram e trocaram ideias sobre dinheiro comigo, e provavelmente meus avos também não o fizeram com eles, realidade que esta mudando atualmente, e vocês blogueiros de finanças estão contribuindo enormemente.Eu e meus filhos falamos sobre tesouro direto, impactos da inflação, discutimos cenarios, aplicações, nunca dei mesada a eles, e eles já tem seus pilas guardados. Acredito que a democracia contribui muito para isso tudo.
    Também não admiro o estilo de gestão petista, mas comparando-se ao do PSDB (que é de onde começo a ter memoria politica e social) a vida se tornou melhor para classe média e abaixo, mais opções de bancos e acesso a mercados, poder investir direto nos titulos publicos, os produtores rurais tiveram acesso a uma fatia de mercado, dominada e ainda cheia de lobbies que é a alimentação no setor publico(escolas, prefeituras, universidades etc).
    Lamentavelmente no Brasil os empresarios querem lucro como objetivo e não como recompensa por um bom serviço prestado, nesse caso só o mesmo o poder regulador do estado ( que ultimamente mais atrapalha).
    Precisa-se olhar os dois lados, não haveria tamanhos desvios e corrupção se os empresários não compactuassem. Busca-se no coletivo o que se deveria ser uma atitude individual e real.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meus pais tb não, eu sempre soube que meu pai ou estava com dinheiro ou estava quebrado (essa foi uma constante) mas não sabia nada além disso até pq ele não tinha (e não tem) educação financeira pra ensinar algiuma coisa.

      Acho que a vida só se tornou melhor pq o plano real evoluiu e permitiu tal melhora, o PT surfou na onda.

      "Lamentavelmente no Brasil os empresarios querem lucro como objetivo e não como recompensa" - desculpe mas se for pra esperar recompensa eu vou caçar ladrão, sou empresário pra ter lucro mesmo, meu foco é somente lucro o que não quer dizer fazer tudo em função dele, entende?

      Excluir
  2. Corey,

    É isso aí!

    Uma das (muitas) coisas que me dão profundo ódio do Bananil é justamente o fato de aqui é "proibido" você ser bem sucedido.

    Os políticos, por exemplo, podem ser milionários sem problema nenhum. Contudo, uma pessoa comum, que construiu o seu patrimônio honestamente com muito trabalho é um bandido, explorador, sonegador, etc.

    Infelizmente o nosso problema é CULTURAL! A Banânia nunca vai mudar, só dando um reset e começando do zero, muito embora 1% da população salva-se nesse inferno.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala IL!

      Isso mesmo, aqui é proibido ser bem sucedido pq se vc tem uma empresa ou galgou um bom cargo vc é necessariamente mal e deve se foder. Essa cultura é foda!

      "Infelizmente o nosso problema é CULTURAL! A Banânia nunca vai mudar, só dando um reset e começando do zero, muito embora 1% da população salva-se nesse inferno.
      " - concordo plenamente!

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  3. Corey,

    Tudo na vida é relativo. Esse pensamento binário e polarizado é coisa de gente burra que falta argumento.

    Concordo com quase tudo o que vc disse, exceto pela questão do "bandido bom é bandido morto". Entendo e concordo que a violência é foda, porém, olhando por um panorama mais amplo, isso acaba se tornando uma polarização de "rico" contra "pobre". A violência se dá na camada mais pobre. Se criminalidade fosse exclusivamente relacionado com caráter, os suécos seriam geneticamente mais idôneos que os brasileiros. Estatisticamente falando, o volume da criminalidade é diretamente relacionado a ausência de educação e estrutura familiar. Esse pensamento polarizado só contribui pra aumentar a criminalidade e guerra (e morte) de PM x criminoso. Soma isso ao fato de que nossa polícia não é lá das mais honestas, a gente cai no caos que vivemos hoje.

    O soulsurfer escreveu um texto EXCELENTE que tem relação com o assunto: http://pensamentosfinanceiros.blogspot.com.br/2017/01/o-monstro-brasileiro-cresceu-esta-mais.html

    Lembrando a galera: Não é pq tenho essa opinião que sou a favor de bandido ou a favor do "direito dos manos". Olha a polarização.. rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim como um amigo já escreveu, também discordo completamente do VI.

      Quer dizer então que perversão moral é fruto da pobreza? Que o pobre é o futuro bandido só porque é pobre? Que o pobre não sabe que assaltar é errado?

      Comentário esquerdista e extremamente preconceituoso amigo VI!

      Bandido bom é bandido morto.

      Excluir
    2. Nada a ver rico X pobre, é a velha esquerdização onde o pobre é sempre coitado e o rico sempre malvado.

      "Bandido bom é bandido morto." - até hoje ninguém nunca conseguiu provar o contrário.

      Excluir
    3. Diploma não define o caráter de ninguem. Sim, bandido bom é bandido BEM morto.

      Excluir
  4. Corey e colegas
    A polarização acontece porque ainda não estamos maduros suficiente para discutir algum assunto, seja por falta de um conhecimento mais profundo sobre ele ou inteligência emocional mesmo. Nos EUA as escolas tem aulas de debate para crianças e isso ajuda muito, embora ainda exista muita polarização por lá. Basta acompanhar as páginas de notícia que os mesmos tipos de post binários que tem no Brasil tem por lá tb. A eleição do Trump foi um bom exemplo disso.
    Quanto a discutir grana, isso tem a ver com falta de segurança mesmo. Eu adoro falar sobre esse assunto mas na vida real não tem nenhuma pessoa com quem eu me sinta confortável falando quanto eu ganho, e olha que nem é grande coisa.
    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo que falta maturidade mas acho que é pq somos cada vez mais idiotas mesmo, poucos conseguem enxergar além das suas próprias opiniões. E o Cazuza ainda disse "ideologia, quero uma pra viver", isso é podre, ideologias são podres.

      Excluir
  5. Discordo veementemente do comentário do Vivendo de Internet no tocante à afirmação de que a pobreza, enquanto mera falta de dinheiro, é fator de criminalidade. O que vemos no Brasil é algo descomunal, sobretudo quando, ao compararmos nossas estatísticas acerca da violência com os demais países pobres, inclusive mais pobres que o Brasil (que sequer é um país pobre de fato, em termos de PIB), constatamos que nossos números é exponencialmente maior - em registros de casos por 100mil habitantes.
    A afirmação do colega só faria sentido caso averiguássemos que a violência nos países, de forma proporcional ao tamanho da população, é tanto maior quanto mais pobre o país for. Absolutamente não é o caso, pois até países em guerra ou paupérrimos, como a Serra Leoa e diversos grotões da fome no continente africano, apresentam índices de violência menores que o Brasil.
    Em fim, chega-se à triste conclusão de que a violência no Brasil é algo cultural, fruto de uma falta de educação (formal e informal) e de (maus) hábitos arraigados em nossos costumes.

    PS: Por que a violência é maior nos grandes centros urbanos, embora estes, via de regra, são mais ricos e estruturados que comunidades do interior? Há sim que se levar a pobreza e falta de educação formal em consideração, mas creio que há fatores mais relevantes, como a cultura do jeitinho e a grande sensação de impunidade do brasileiro.


    Corey, parabéns pelo texto! Você escreve muito bem, de forma fluída e prazerosa de se ler. Isso é um dom! Continue, pois, a nos brindar com sua presença na blogosfera.

    Renato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb discordo! O Brasil é extremamente violento e não nos damos conta disso pq estamos inseridos nessa violência 9a velha história do sapo na panela).

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  6. Olá Corey!

    Legal o post. Concordo em partes. A questão do bandido bom é bandido morto é complicado. (Tbm não me polarizem! não sou a favor dos "manos") Acredito que com esta ação, se piore o problema em vez de resolvê-lo.
    Sobre dinheiro cometi a burrice de falar com alguns amigos. Queria ensinar o que aprendia aqui na blogosfera e o retorno foi taxação de pão duro, riquinho entre outros...
    Tbm tenho curiosidade de conhecer um pais socialista para ver como é. E tbm sou antisocialista. (mas não sou contra a esquerda, dificil não rs) Sou antisocialista pq são poucos que não se deixam corromper, uma de minhas ideias do pq o socialismo não funciona.

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá II!

      Não consigo entender pq bandido deve continuar vivo, sério, não entra na minha cabeça...

      "Sobre dinheiro cometi a burrice de falar com alguns amigos. Queria ensinar o que aprendia aqui na blogosfera e o retorno foi taxação de pão duro, riquinho entre outros..." - melhor guardar o conhecimento pra vc e se for pra espalhar que seja de maneira anônima, aqui no Br não temos nem a cultura nem a segurança pra tocar nesse assunto.

      Abraço!

      Corey

      Excluir
    2. Também não conck

      Excluir
    3. Que comentário desnecessário. A propósito eentendi essa parte no texto do post como apenas uma ironia pq imagino que de fato Corey não é preconceituoso. Falar isso é o equivalente a afirmar que todos os brasileiros adotam o jeitinho brasileiro como estilo de vida

      Excluir
  7. Corey, acredito que seria melhor se cada assunto fosse abordado em uma postagem diferente.

    Polarização
    Acredito sim que somos tendenciosos a polarizar, pois é mais fácil para lidarmos com as questões do dia a dia. Um link a respeito (http://sethgodin.typepad.com/seths_blog/2016/12/we-are-all-biased.html).
    O problema da polarização esta em não aceitar os critérios que o outro considera que seja melhor para ele.
    Exemplo, eu nunca usei drogas ilícitas e não sou contra que outras pessoas adultas façam uso dela. Pois aquilo que é bom para eles, não necessariamente é bom para mim, por isso mesmo não gostando de drogas não significa que aquilo deva ser proibido. Penso que as pessoas tem que ter a liberdade de serem estúpidas, fazerem e pensarem na forma que quiserem desde que afete apenas a elas. Digo isso para a bancada religiosa do Congresso Nacional que querem impor convicções pessoais para a coletividade, como a Inquisição contra os homossexuais.

    Discutir Dinheiro

    Acho que o problema de não discutirmos sobre dinheiro é que a maioria dos brasileiros tem um salário de subsistência, ou seja, se perder o emprego no mês seguinte não têm dinheiro nem para comer. Outro fator para não discutirmos dinheiro é que somos burros. Compramos uma geladeira e parcelamos em 12 vezes "sem juros no cartão". Minha barriga doí pela abominação da frase anterior. Na Europa para se comprar algo parcelado dá trabalho, você tem que lidar com o banco antes de se fazer a compra, não com as lojas-bancos como aqui no Brasil.
    Então como vamos discutir sobre algo que não temos? Dinheiro é escasso para a maioria da população e quando tem a nossa cultura diz para consumirmos ao invés de pouparmos.
    Já trabalhei com um menino que ele não tinha nem R$10 para pagar o almoço, mas tinha R$300 para pular de paraquedas no final de semana.
    Vi a entrevista de um cara no Roda Viva - TV Cultura, desculpem-me por não lembrar o nome dele, e lá ele comentou sobre a diferença entre gente rica e pobre:
    "- O rico ganha para investir e o pobre ganha para gastar."

    Tenham saúde,
    Maluco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Maluco!

      "liberdade de serem estúpidas" - concordo que as pessoas devam ter essa liberdade mas desde que não atrapalhem a vida alheia. Vou dar um exemplo: tenho vontade de vomitar com funk, mas não acho que deveria ser proibido desde que os "usuários" não atrapalhassem a vida do outro com seus carros de som demoníacos.

      "Acho que o problema de não discutirmos sobre dinheiro é que a maioria dos brasileiros tem um salário de subsistência, ou seja, se perder o emprego no mês seguinte não têm dinheiro nem para comer. " - sim, mas mesmo tendo um salário de subsistência daria sim pra grande parte ao menos ter uma reserva se elas não optassem por ser pobre. Ser pobre é questão de escolha, vc pode nascer pobre mas se mantém nessa condição graças as escolhas que faz na vida (mesmo que inconscientemente).

      Abraço!

      Corey

      Excluir
  8. Corinthiano, petista e idiota são complementos dispensáveis pois tornam a sentença pleonástica
    Subir pra cima, descer pra baixo e sair pra fora são exemplos compatíveis

    ResponderExcluir
  9. Corola salário anual de médico no Brasil? Tá por fora hein Corey.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De qual Corolla está falando? De um novo? Sabe quanto custa? Quanto acha que um médico mediano ganha?

      Excluir
    2. Corolla Altis 2017: R$ 110.990,00 (http://www.toyota.com.br/modelos/corolla/monte/)

      Tem muito médico que não ganha 9250,00 por mês, falo pq conheço alguns e sei que a realidade principalmente em começo de carreira não é tão bonita quanto pintam...

      Excluir
  10. Eu pergunto, uma vítima de assassinato tem uma segunda chance? Não né? Então por quê bandido deveria ter?

    A polarização é algo enraizado na cultura do brasileiro, seja no condicionamento mental (nossas escolas são tão ruins que nem doutrinar os alunos conseguem) no ensino, mídia e outros meios de comunicação. Perdemos a guerra cultural (Gramsci) para o esquerdistas faz tempo, por isso o mundo está de ponta cabeça e só tende a piorar, o certo virou o errado e o errado virou o certo. Esse condicionamento é simplesmente a guerra de classes que eles tanto alimentam. É preciso existir conflitos para eles serem os salvadores que trarão a paz para o mundo, só que, nunca irão fazer isso, pois se acabar o conflito não há motivo para eles existirem.

    Enfim..

    Perdoamos ladrões, assassinos, estupradores e bandidos das piores espécies, só não perdoamos uma coisa: o sucesso!

    Abraços e sucesso financeiro!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Perdoamos ladrões, assassinos, estupradores e bandidos das piores espécies, só não perdoamos uma coisa: o sucesso!"

      Sem mais, mitou!

      Excluir
  11. Corey, obrigado por mais um texto sensato.

    ResponderExcluir
  12. Corey, importante notar também a diferença na mentalidade.

    Aqui no Bostil nós "ganhamos" dinheiro ("Eu ganho x por mês").
    Na América eles "fazem" dinheiro ("I make X a year"/"How much money do you make"?)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, isso pode fazer a diferença pq condiciona o cérebro. No varejo nós tb usamos "fazer" (minha empresa "fez" 100k mês passado, etc).

      Excluir
  13. Discutir sobre dinheiro ou quanto ganha é babaquice de quem acha q e algo por isso ai, eu discuto negócios e quanto posso ganhar ou resolver meus problemas, isso ai e babaquice pra mim, ngm precisa saber qnto vc ganha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perceba que esse é uma mentalidade que você tem enraizada, já que renda não é extensão da personalidade de ninguém.
      Acho legal saber o quanto a pessoa ganha tanto para entender a valorização do cargo dela, quanto para ver o que ela consegue fazer em termos de administração financeira.
      Dessa forma consigo me comparar e perceber se estou fazendo errado e se é possível melhorar. Acredito que se essa troca de informações fosse mais natural, seria de grande ajuda para todo mundo.

      Excluir
    2. É legal fazer essa comparação, por isso a blogosfera é importante, mas na vida "real" não dá pra conversar isso por aí...

      Excluir
  14. A sua última frase chega a doer no fundo do coraçãozinho, pois é pura verdade =(
    É bizarro como todo mundo diz que quer ser rico e quando conhece alguém que tem um salário maior, sempre dá um jeito de criticar ou "mostrar" que não adianta nada ganhar mais se a personalidade ou o caráter são assim e assado. Como se uma coisa tivesse relação com a outra.

    E sobre conversar sobre dinheiro, realmente é preciso ter muito cuidado. No começo me empolgava e queria conversar com todo mundo, mas vi que além de perigoso, não surtia efeito... porém essa semana conversando sobre tipos de investimentos, reserva de emergência, etc com uma colega de trabalho, fiquei contente ao ver que ela resolveu se abrir e falou sobre valores e atitudes que tinha tomado para aplicar o dinheiro que juntou quando morou fora do país.
    Foi ótimo porque aprendi um pouco mais sobre algo que não sabia, e percebi que ela confiou em mim, pois percebeu que não sou uma descontrolada olhuda que vai pedir dinheiro emprestado semana que vem, rs.
    Gostaria de poder fazer isso mais vezes na vida real =(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na grande maioria dos casos é improdutivo e até perigoso conversar sobre dinheiro, mesmo qd alguém "se abre" comigo, prefiro ficar na moita e no máximo jogo meus valores pra baixo (bem pra baixo).

      Excluir
  15. E bandido e o que? Garanto que um politico que rou a milhoes impacta mais vidas do que alguem que matou um. E a realidade.

    ResponderExcluir
  16. E os bandidos políticos devem morrer também??? Aécio, Alckmin, Renan e outros estão na lista da Odebrecht. Será que eles seriam mortos?

    ResponderExcluir
  17. Legal o Corey tem coragem de expor seu ponto de vista, algo que um anônimo não teria, estando disposto a pagar o preço por se expor! Mas, uma dúvida, quem é o Corey?

    ResponderExcluir
  18. O problema não é o brasileiro, em regra, não discutir sobre finanças; e sim tentar a mínima discussão e ser imediatamente rotulado de vários termos pejorativos e depreciativos.

    Por isso, não só na blogosfera procuro manter-me anônimo, como no dia a dia mantenho alguns assuntos, como este, de forma anônima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, se vc puxa assunto com uma pessoa mediana ou vc sai como "rico" ou como "pão duro",não dá...

      Excluir
  19. Corey, pensei bastante essa noite e cá estou...

    Vc é empresário, e culpa o governo por tudo, impostos altos, etc...

    Maaaas nenhum empresário paga imposto, nem vc!!! Vc não tira SEU dinheiro e dá pro governo, vc imbute todos os tributos sociais no valor do produto e repassa pro consumidor final...Logo, vc não paga por eles. Qual a lógica dos empresários que faturam alto reclamarem de "custo Brasil" então quando é a clientela que arca com todos esses impostos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc com certeza não sabe como funciona o sistema tributário brasileiro (aliás, ninguém sabe e justamente aí está o problema). Na Europa e EUA vc sabe exatamente qto paga de imposto na boca do caixa, o empresário sabe exatamente quanto está pagando pq é somente repassar aquele valor que o cliente pagou. Aqui vc jamais sabe quanto está pagando devido a altíssima falta de transparência e complicação nos cálculos, nem contador nem desenvolverdor de software pode garantir que minha empresa está pagando o importo correto, ou seja, eu não consigo saber se estou cobrando o imposto certo do meu cliente. Tenho que precificar com o imposto embutido mas nunca sei ao certo qual será o importo cobrado. Se, contar a "substituição tributária" onde pago parte do imposto no momento que adquiro a mercadoria (vem cobrado na NF), se não consigo vender essa mercadoria, foda-se o importo está pago e o governo não me restitui. Sem contar as dezenas de siglas dos impostos e a cascata que isso provoca.

      Excluir
  20. A educação ou n educação das pessoas neste pais, faz com q, quem saiba investir se torne um monstro.
    Meus pais n conversaram comigo sobre dinheiro, mais desde de cedo coloquei como meta de vida n depender deles como vejo em outras familias.
    Sobre conversar sobre investimento s, concluir q n adianta muito falar com os tapados, alegar q n fazem pq n sabem como se faz., porém sempre tenho uma frase pronta a quem me diz isso.
    "Incrível, internet ensina até a fazer uma bomba, rendes socias vc sabe mexer, atualizar e passa horas dando conta das vaigens dos outros, pq n aprende sobre investimentos"
    Na maioria a resposta é semprr q alem de decorar siglaas ser chato e um lugar pra ricos"
    250 tmeres no ingresso do show de Safadao isso pode é investir em lazer kkkkkkkm

    ResponderExcluir
  21. 1 - Falar sobre dinheiro no Brasil é extremamente díficil.
    Se ja há um receio de falar sobre cargos, vá ver de renumeração.
    2 - A cultura anglo-saxônica é mais aberta a esse assunto. Já as latinas e eslavas acham que dinheiro é como segredo.Na Italia e no Sul da França, é considerado agoro dizer para o outro quanto você ganha (a nova geração não liga muito para isso) Na Rússia, dizem que pode falar de tudo menos salários.Lá o salário só é falado na hora da contratação (se você não passar na seleção, nunca vai saber). Os mais "mente aberta" dizem quanto ganha para esposa/marido. Os mais fechados não.
    3 - Anonimato é relativo. Alguns falam bem, outros querem e outros sô falam lixo. Anonimato pode ser útil para os três casos. Há quem fale a verdade e há os falatórios incovenientes de asneiras insignificantes.
    Geralmente, quem descobre os anônimos é quem convive com eles. Colegas de trabalho (invejosos ou não), familiares, falsos amigos.
    4 - Quem descobre por acidente e é realmente bom, deixa guardado. Aliás essas pessoas sabem que espalhar aos ventos que fulano é rico não vai tirar nem acrescentar nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não por acaso a palavra "inveja", livremente tradutível como "ver dentro"..

      Excluir
  22. Grande amigo Corey!
    O acompanho desde 2012, das épocas que postava sobre o lado negro do empreendedorismo.

    Estou escrevendo somente para agradecer o conteúdo, segui muitas das suas dicas ao pisar no solo americano. Como não tentar usar o jeitinho e nem bancar o espertalhão.

    Vou experimentar o chilli hoje!
    Ah, estou em Wyoming.

    Grande abraço, keep the good work!

    ResponderExcluir
  23. Gostei do texto, Corey.

    Sobre a polarização de ideias, tenho até uma pérola: "Uma única face não dá valor a uma moeda"

    ResponderExcluir
  24. Olha...se levarmos a sério essa história de matar bandidos, a população teria uma queda drástica kkkk
    Acho que na questão politica essa pratica poderia ser adotada sim, como na China. É corrupto ? foi comprovado ? tchau tchau
    Indiretamente os politicos (corruptos) são a causa de milhares de mortes todos os dias.
    Acho muito dificil discutir sobre isso, teriamos que pensar muito a fundo e com muita delicadeza sobre esse assunto.
    abraços!

    ResponderExcluir

Os comentários desse blog são moderados, ou seja, passam pelo meu controle antes de serem publicados. Esse é o motivo pelo qual seu comentário não aparecerá logo após você clicar em "Publicar", portanto não precisa postar 2 ou 3 vezes! Posso demorar, mas publicarei e responderei todos os comentários que não contenham trolagens, intrigas, propagandas e baixo nível.